Artigo

Qual é o seu estilo de vida?

 

Beatriz Frias

Estamos julgando a todo instante. Pré-conceitos sobre a imagem, seja da mulher, seja do homem, é o que não faltam. Ainda mais, levando-se em conta a sociedade em que vivemos atualmente. Por isso, as pessoas se espelham sempre em alguém que gostariam de ser. E vão além disso, acabam realmente querendo viver e ser exatamente igual ao seu “ídolo“. Começando, sempre, pelo aspecto físico.

É uma verdadeira obsessão! Se inspiram em estilos de vida que não são compatíveis e, nesta busca incessante de parecer igual ao outro, muitas vezes, perdem a própria identidade e a oportunidade de serem elas mesmas, de serem únicas.

Meu objetivo nunca foi ser musa fitness, muito menos ser igual a alguém. Mas sempre gostei de me cuidar. Praticar atividades físicas e ter uma alimentação saudável fazem parte do meu dia a dia há muito tempo, mais especificamente há 16 anos. Aliás, quase 17 agora.

Pois é, quando criança eu praticava atividades físicas e esportes, mas não havia muito resultado na aparência, pois eu acabava comendo mais do que precisava. Ou melhor, o que precisava e o que não precisava também (risos).

Bem, para quem ainda não sabe, com meus exatos 11 anos, algo despertou em mim e comecei a praticar atividades físicas regularmente (quando digo regularmente, é algo do tipo cinco vezes por semana) e aprendi também a comer pela forma mais correta, na minha opinião, pela reeducação alimentar.

Aprendi sobre os grupos alimentares e passei, então, a ter consciência de que minhas escolhas influenciavam diretamente o meu corpo. Pois é, isto mesmo! No primeiro momento, como eu era uma criança mais ‘cheinha’, a aparência fez uma enorme diferença para mim, mesmo o peso da balança não tendo mudado muito, pela fase de crescimento.

Lembro-me como se fosse hoje mesmo. Saí de férias da escola no meio do ano como se fosse uma pessoa e quando retornei, me sentia outra. Milagre? Com certeza não. Eu tinha apenas 11 anos e fiquei o mês de julho todo sem comer um doce sequer e fazia caminhadas duas vezes ao dia.

Com o passar dos anos, o exercício físico e a alimentação saudável passaram a fazer parte da minha rotina como uma necessidade. ‘Meu corpo pedia’. E ainda pede. Foi aí que, de um tempo para cá, descobri outros esportes e o amor pelo ‘movimento’ falou ainda mais alto.

Comecei a gostar mais e mais de treinar e, como já levava uma vida relativamente (bem) regrada, não foi muito complicado. Meu estilo de vida sempre foi diferente da maioria das pessoas, principalmente quando falamos de uns anos atrás, em que não existiam essas ‘modinhas’.

Eu era pré-adolescente, mas já tinha dentro uma disciplina e uma consciência maior do que muitos adultos. Para ficar bonita e virar musa fitness? Ser igual à fulana ou beltrana? Primeiro, estou longe disso. Segundo, não é e nunca foi meu objetivo.

Meu foco sempre foi a saúde e, mais recentemente, o esporte. Não sou adepta aos produtos ‘milagrosos’ que existem por aí, quanto mais natural, melhor! Gosto das coisas que me fazem sentir bem. Adoro pedalar, nadar, dar uma corridinha, ir à academia, ou até mesmo caminhar. Suar faz bem, com uma alimentação saudável, mais ainda! Meu corpo agradece, e como recompensa, o físico também melhora. Tudo faz parte de um círculo virtuoso. Na medida em que nos cuidamos, nossa aparência, consequentemente, também melhora.

E isto vai muito além do peso da balança. Estou falando aqui de composição corporal, de pele, unhas e cabelos. De disposição, autoestima, de rendimento, de prazer. Exatamente! Pena de quem pensa que tudo isso é sacrifício. Certo, já passei por diversas fases que não foram nada fáceis, ora muito abaixo do peso, ora acima, contratempos, lesões e mudanças de rotina acabam nos prejudicando, e muito! Mas estes não podem ser motivos para desanimar. Pois, como eu disse, no final, isto tudo me proporciona um enorme prazer, o prazer de estar sempre em movimento. Chame de vício quem quiser, este é o MEU estilo de vida.

 

Artigo publicado originalmente na Revista ARRASO | Estilo e Filhos * edição n.72 *

https://www.instagram.com/p/BV8XKkYg9UN/?taken-by=beatrizfrias

Artigo

Já pensou em recomeçar?

Beatriz Frias

Recomeçar. Começar de novo, quantas vezes for preciso.

Todos passamos por dificuldades. A vida é feita de fases, as quais nem sempre são de ‘flores e amores’. Mas, são neste momentos de insatisfação que, geralmente, começamos a repensar nossa vida, nossas atitudes, nossas escolhas. Estou mesmo indo em direção de onde quero chegar?

Bem, não estou falando aqui que é para jogar tudo para o alto como que em um ato de rebeldia, tampouco de desistir. Mas, estou falando de refletir, de analisar alternativas, pesquisar novas oportunidades e tentar novos recomeços. De reinventar.

Mas, para quê tudo isso? Não seria mais fácil simplesmente continuar e ‘levar com a barriga’? Não seria mais conveniente fazer, agir conforme manda o protocolo e seguir no caminho conhecido?

A mudança sempre trás com ela medos e situações as quais desconhecemos. Assim como existem pessoas que tem medo de altura ou de esportes radicais, existem também aquelas que fogem das decisões do dia-a-dia.

Por comodismo? Falta de opinião? Bem, não é tão simples assim, não dá para julgar, muito menos rotular. Cada pessoa é única e cada situação é diferente da outra. Mas, posso afirmar que, na maioria das vezes, falta um pouco de VONTADE. Pois é isto mesmo, vontade. Vontade de viver!

Existem momentos em que nos pegamos sem muita vontade das coisas e sem saber para onde ir. Bem, pelo menos quando eu estou assim, no mínimo estou desanimada. Porque, em minha opinião, viver é mais do que se conformar. É procurar alternativas, aceitar desafios e ir atrás do MEU caminho, mesmo quando ele parece que fica um pouco nebuloso.

Para fazer um paralelo ao assunto, deixo aqui uma frase que gosto muito: “Você não pode mudar o vento, mas pode ajustar as velas do barco para chegar onde quer.“ (Confúcio). Ou, eu ainda diria que: Você não pode mudar o vento, mas pode remar em direção de onde quer chegar.

E o seu ‘barco’, para onde está indo? Já pensou em recomeçar?

 

Artigo publicado originalmente na Revista ARRASO  *Edição 68*

https://www.instagram.com/p/BNFd8Mmg_w_/?taken-by=beatrizfrias