Nem tudo são flores e amores…

Pois é, parece um pouco engraçado, mas é verdade. Por mais que o esporte seja um prazer, tem dias que é difícil. Nem todo treino é gostoso, nem toda experiência diferente é super bem-vinda, mas muitas vezes temos que enfrentá-las. No momento em que tudo parece estar bem, você seguiu todos os treinos, as dificuldades do posicionamento da corrida começam a se ajustar… aí vem o emocional e te pega! Sim, não podemos nos esquecer desta pequena-grande parte do jogo!

Como já vinha treinando natação, bike e voltei aos treinos de corrida, pensei: Por que não arriscar uma prova de triathlon para sentir como é? Bom, eis que me inscrevi para a Copa Interior que será em Itatiba-SP. Nunca tinha treinado para esta modalidade, comecei há pouco tempo fazer uma ou outra transição de bike/corrida e semana passada, fiz meu primeiro treino de natação na lagoa.

Bom, não preciso nem falar que não foi dos melhores, né? Mas, tudo bem. Primeira vez, estranhamos um pouco, ainda teria mais uma chance antes da prova. Porém, o fato é que a segunda vez, que foi este último final de semana, eu e o pessoal da assessoria fizemos um ‘simulado’ da prova e eu fiquei nervosa a semana toda pensando nisso.

Quando chegamos na lagoa, sábado cedo, eu sentia MEDO! E quando entrei só piorou. Comecei a nadar tudo errado, não sabia se respirava para frente ou para o lado, me desesperei e queria desistir de fazer a prova. Parei num ponto e meu coach começou a falar comigo. Conversamos alguns minutos, ele me orientou como eu deveria fazer, mas disse também que de fora parecia que estava tudo bem e o que estava pegando mesmo era dentro de mim, ou melhor, nos meus sentimentos e pensamentos.

Não sei o que aconteceu. Mas, acredito que o fato de eu nadar num lugar desconhecido, onde não via nada, parecia que faltava ar para respirar e só pensava que não ia conseguir fazer a prova num lugar parecido com esse e ainda com um monte de gente. Depois disso, combinamos que tentaríamos novamente com as orientações e meu treinador foi me acompanhando. Parece que tudo tinha ficado mais fácil e tranquilo. Talvez pela presença e segurança, pela conversa e direcionamento.

Consegui terminar esta primeira etapa e fui pegar a bike. Rodei 20km e depois corri mais 5km. Não foi fácil, acho que fiquei meio ‘abalada’, mas também percebi que estava preparada fisicamente para fazer. Agora, preciso trabalhar a mente e ver se consigo encarar a prova semana que vem. Mas, uma coisa é certa: desistir ou ficar me cobrando não adiantará nada!

“Nem tudo são flores e amores.” Tem momentos em que tem sofrimento, tristeza e acabamos caindo. O que não podemos fazer é demorar muito para levantar…

 

Beatriz Frias®

9 comentários em “Nem tudo são flores e amores…

  1. Be, tudo que posso te falar nessa hora é que é assim mesmo. A maior parte dos triatletas tem um “receio” com a natação. Com o tempo, você vai aprender a controlar esse “receio” e as coisas passam a fluir melhor.
    Na minha primeira prova apanhei tanto enquanto nadava que juro que pensei em abandonar. Dá pra perceber que não abandonei, né??? rs
    Até hoje, mesmo depois de muitas provas, inclusive o Iron, ainda fico meio apreensivo na natação. Mas a coisa flui… O comecinho é sempre tenso e fica muito difícil “encaixar” a respiração com a braçada. O segredo é relaxar… Ali na frente as braçadas encaixam com a respiração e tudo fica bem. Te aconselho a nessa primeira prova tentar ficar longe da confusão da largada pra não ficar se estapeando com o pessoal que quer vencer. Deixa pra tentar vencer só a partir da segunda… ;)
    Uma boa notícia é que fiz todos os tipos de teste com a roupa de borracha e é impossível afundar com aquilo. :D
    Vai pra prova tranquila, tenho certeza que vc vai arrebentar! O risco é nunca mais querer parar…
    Grande abraço,
    Armando – http://atriathlon.wordpress.com

    1. Armando, só de eu saber que não sou a única já alivia bastante! Rs. Realmente, agora acho que só enfrentando para, aos poucos, pegar mais experiência. Adorei suas dicas e sua visita aqui! Valeu mesmo pela força! Depois eu conto como foi… Bjos ;)

  2. Ótimas dicas Armando, eu iria comentar a mesma coisa. Na largada, fique bem atrás e faça a sua prova, nade tranquila, pedale como você pedala e corra feliz. O resto é a brincadeira, alias, tudo que fazemos, embora alguns amadores sejam competitivos até as vezes nós mesmos estamos mais competitivos, é que o esporte é uma grande brincadeira de adulto hehehe.
    Boa sorte na prova e nos conte depois!

  3. Be, é assim,mesmo!!! Acho que mesmo depois quando tu te acostumares com um lugar ainda vais continuar sentindo frio na barriga. Na bike e na corrida a gente enxerga onde pisa. Na natação, não.
    Pior que é uma sensação de frustração com raiva, né? rs Mas tu és dedicada, daqui a pouco vais tirar isso de letra!! Boa sorte.
    Obs.: estranho é quando tudo dá certo, sempre! BEIJÃO

    1. Oi Deysi! Nossa, com certeza, é muito ruim mesmo. Mas, como vc disse: “estranho é quando tudo dá certo, sempre.” Rs. Obrigada pelo recado e incentivo guria… Super beijo!!

Participe comentando 💬

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.