‘Pedal da fé’ 🚵🙏

E tudo começou quando estava falando com o Gabriel, combinando de pedalar neste feriado de 1o de Maio. Ele me convidou para irmos na Estrada dos Romeiros. A cada dia que passava, ele me colocava um ‘medo’ novo. Um dia me dizia para comer bastante carboidrato na noite anterior do pedal; no outro, para eu levar bastante suplemento; no dia seguinte, para eu levar câmeras de CO2 (nem eu sabia o que ele estava falando); no outro dia, me contou que a primeira vez que fez esse percurso quase teve que voltar guinchado… Bom, mas eu resolvi aceitar o desafio para ver se era tudo isso mesmo. Rs.

Na noite anterior ao feriado, preparei uma massa com molho de tomate, fui dormir cedo e, na manhã seguinte, comi uma fruta com mel e fiz um suco de beterraba com gengibre para ir tomando no carro. Para levar: protetor solar, câmeras reservas, água, isotônico, gel, banana, bolacha água e sal… (Ufa!) Tudo pronto. Saí de Piracicaba antes das 6 da manhã e fui rumo à Rodovia Castelo Branco. No meio do caminho, um nascer do sol maravilhoso:

Cheguei no posto que combinamos de nos encontrar. Eram 7 hs da manhã e já estava LOTADO de ciclistas! O percurso começou com uma serra e muita subida. Foi muito difícil de iniciar, uma vez que, eu já demoro bastante para esquentar e ainda com subida forte e o frio, piorou… Mas tudo bem, fui no meu ritmo.

Depois de passar esta serra, que era o trecho mais difícil, chegamos em Pirapora do Bom Jesus, onde começava oficialmente o trajeto da Estrada dos Romeiros. O mais engraçado é que além de estar cheio de ciclistas, também tinham muitos homens andando à cavalo e com charretes. Quando acabava uma subida e eu começava a querer dar uma ‘aliviada’ já vinha outra em seguida. Sem contar que não tinha como acelerar muito nas descidas, porque o vento era tanto que quase me derrubou umas 3 vezes. No começo, ainda estava meio tensa. Mas depois o passeio foi fluindo, já aquecida e também mais descontraída. O corpo entendeu que ia sofrer mesmo e não ia ter outra saída. Rs.

Fomos até Cabreúva e paramos numa padaria perto de uma igrejinha. Parada rápida para banheiro e respirar um pouco e depois voltamos pelo mesmo caminho da ida. Poderíamos ter continuado e ir até Itu, mas como era minha primeira vez nessa estrada e ainda tinha a maldita serra para voltar, resolvi não abusar, para não ‘quebrar’ no final.

Tinham momentos que parecia que eu não tinha mais perna para subir e acho que eu acaba subindo ‘na fé’! Rs. Paciência, respiração, concentração. Mas, posso dizer que realmente valeu muito! O visual é bonito demais!

🚵🚵💨💨

A post shared by 🅱️e (@beatrizfrias) on

Voltamos ao posto de partida com 65km rodados, com 1.730m de elevação e ainda com metade do meu estoque de comida. Da próxima vez quero fazer o verdadeiro pedal da fé, Itu – Pirapora). “Seja o que Deus quiser”. :)

** Visualize o mapa e mais informações do pedal pelo -> Strava <- **

Beatriz Frias®

3 comentários em “‘Pedal da fé’ 🚵🙏

  1. Bee!! Que demais! Deve ter sido muito desafiador, mas ao mesmo tempo, incrível!! Parabéns por mais esta conquista!! Beijos!

  2. Vc nem falou do tira saia , caso não sabia onde fica essa subida , elá a ultima subida antes da escolinha de Pirapora.
    lá é um pedal clássico , treinos mais específicos de força são feitos por lá .
    Parabéns hein !!!! Mandou super bem

Participe comentando 💬

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s